domingo, 12 de fevereiro de 2012

Sapataria Casa Única




Foto de Pena Filho / Agencia RBS

Na última quinta feira dia 09/02, fui  à Sapataria Única buscar um conserto que havia deixado lá na semana anterior, e, quando peguei a peça na mão, naturalmente expressei algo como: Perfeito! Mais uma vez o serviço está perfeito. E tem gente que não sabe o quanto vocês trabalham bem…

Em seguida me contaram  que o jornal A Notícia teria acabado de sair de lá, com uma matéria a ser publicada, foi quando completei: "então vou postar no Face e no Twitter", rimos todos e saí. 

Nesse mesmo dia postei sobre o assunto no twitter, e comentei no trabalho sobre a qualidade do serviço da Sapataria, e, em resposta, para quem ainda não acredita na divulgação através das redes sociais,  recebi o link da matéria através da Maiky, uma colega de trabalho.

Parabéns à jornalista Rafaela Mazzaro, do Jornal A Notícia, pela matéria publicada sobre a antiga Casa Única, aquela lá no final da rua Principe, como falamos quando queremos ensinar o endereço para alguém.

Conheço a Sapataria Casa Única desde 1964. Recém-chegada em Joinville, morávamos numa casa na rua Abdon Batista, e passamos a conhecer todo o comércio da região. 

Na época, os sapateiros eram os pais do Pedro. Lembro de seu pai sentado numa banqueta com as ferramentas na mão e usando um avental, enquanto sua mãe sentada à uma máquina, costurava bolsas e artigos de couro.

Uso muito a Casa Única, sempre tenho sapatos para trocar a sola, colocar antiaderente, bolsas para costurar, aumentar ou diminuir as alças, cintos para furar, botas para cortar ou aumentar etc etc. 

Tenho trabalho para todos…Gerson com as botas, sempre pontual nas entregas. Reginaldo faz coisas tão perfeitas, que até Deus duvida mas tem que ter muita paciência, o tempo dele não é o mesmo que o nosso (risos). A Rosa sempre alegre e receptiva tem sempre uma história para contar. O filho Fred, que mesmo formado em Direito, trabalha com a família é sempre muito atencioso. 

E tem Pedro, o Grande Senhor. Nesse aspecto, discordo completamente do texto, da jornalista "semblante tranquilo…" ???? 

Não mesmo ! Ele é muito sério, carrancudo e com cara de poucos amigos, até o momento em que, se você  quebrar aquela barreira e conseguir abrir um diálogo, encontrará uma pessoa gentil, que pela conversa demonstra ser rígido em seus princípios morais e familiares.  

À frente do balcão, ele está sempre fazendo um cinto ou um chinelo de couro, sabe "de cabeça" qualquer coisa que perguntem, do solado  ao cadarço, palmilha de ajuste ou fivela de cinto, se a tintura no couro vai ficar boa ou craquelê, se tem tachão ou tachinha, mosquetão, a diferença entre cêra ou hidratante de couro, dominando completamente sua oficina de conserto e confecção de artigos de couro.

Parabéns para vocês da Casa Única, a publicação no jornal é merecida.

3 comentários:

  1. Muito bacana o post, Raquel. Obrigada pela referência!

    ResponderExcluir
  2. Virgilio Delgado de Borba Netto16 de fevereiro de 2012 14:08

    Somente hoje tive o prazer e felicidade de ler seu blog. Como sempre, maravilhoso.
    Você está se tornando aos pouquinhos e que bom que seja aos pouquinhos a cronista de Joinville da mesma maneira que sua mã na poesia.
    Parabens. Continue assim e sempre nos enleve com suas crônicas.

    ResponderExcluir
  3. Denise Pinnow Piccinini27 de fevereiro de 2012 08:10

    Querida Raquel. Adorei o que vc escreveu sobre a Casa Unica. Quem da nossa idade não teve uma sandália de sola de pneu feita pelo Pedrinho? Ótima lembrança. Parabéns. BJS

    ResponderExcluir