quinta-feira, 26 de setembro de 2019

O Institut Lumière em Lyon, na França.


Entrada do portão principal com foto da cena do filme com a inscrição indicativa do Institut Lumière - Hangar du Premier Film Cinéma. Eu apareço na foto.
Lyon é a capital do cinema. Embora não seja detentora deste título, bem que poderia, pois foi nesta cidade da França que o cinema começou, assim como o vemos hoje. 

O grande marco devemos aos irmãos August e Louis Lumière que inventaram o cinematógrafo, e com isto fizeram a primeira exibição pública de uma imagem em movimento. Os dois nasceram em Lyon e as memórias desta trajetória estão registradas no Institut Lumière. 

 Vídeo do filme La Sortie - YouTube

Como resultado do aprendizado deste assunto, estudado na matéria de Cinema da Faculdade de Jornalismo, estando na cidade de Lyon, fui conhecer o museu. A montagem fotográfica feita na transparência do portão, onde foi produzida a primeira cena do filme La Sortie Fábricas de luz, pelos irmãos Lumière, para mim, foi a tradução do conceito de "experiência estética".

Criado em 1982, numa casa de arquitetura “art nouveau/art deco”, construída entre 1899 e 1901, onde a família morava, o museu foi criado para preservação do patrimônio cinematográfico. Tudo está lá: filmes, livros, fotos, cartazes, equipamentos de cinema, com apresentações interativas, exibição de trechos de filmes. 

A entrada, pela porta principal de estrutura gigantesca e escadas de granito, dá acesso à recepção. Sobre o piso cerâmico, que se confunde com uma tapeçaria esticada no chão, a escada de madeira para o mezanino impressionam pela beleza. As salas são dividas por portas com vistas esculpidas em madeira. Estas só não são mais imponentes do que as esculturas que sobre elas se escoram.

Os filhos de Antoine Lumière, fotógrafo e fabricante de películas fotográficas, também eram colaboradores do pai na fábrica Lumière. E lá, neste cenário, foi feito o primeiro filme. A fábrica era a maior produtora de chapas fotográficas da Europa, na época. 

Nos jardins da antiga residência, hoje museu, está instalado um cinema “O Hangar”. Na construção de 4 andares e 21 salas é oferecido cursos científicos e histórico sobre a invenção do cinematógrafo de Louis Lumière. 

Em homenagem ao fato, anualmente, durante o mês de Outubro, se realiza na cidade o Festival Lumière. Um evento que leva à cidade os mais famosos nomes do cinema mundial.

Seu blog dá acesso ao deficiente visual?    Fotos legendas para acessibilidade do deficiente visual. #pracegover

Portão onde foi filmado a saída dos empregados da fábrica e a foto da cena.
O cinematógrafo protegido por uma caixa de vidro em formato redondo
Escadaria em granito de cor clara e porta de madeira escura na entrada do museu. Eu apareço entrado na porta
Escada de madeira entalhada e vista do mezanino na recepção do museu.
Entrada lateral com foto na parede dos irmãos Lumière.
Piso decorada da recepção em tons de bege e cinza
Painel com cena de filme em preto e branco com pessoas na rua, os prédios e carroça.
Sala interna com lareira de tom claro, fotos nas paredes pintadas de cor salmão em contraste com as portas na cor verde musgo.
Projetor Lumière de 75 mm
Sala com porta de vidro estampada a cena da saída dos empregados da fábrica e de cada lado uma tela com pintura/retrado individual dos irmãos August e Louis Lumière. Eu apareço no centro da foto.
O SuperLinda na sala de janelas de vidro com vista para o jardim da casa dos irmãos Lumière.
Ingresso de acesso ao Museu com divulgação do Festival que se realiza em outubro.
Ingresso de acesso ao museu com o registro da data e hora da visita: 18/09/2019
Mais posts da França:

Em Dijon, siga os passos da coruja

Jardim de Monet. A natureza eternizada nas telas de Claude Monet.

Nenhum comentário:

Postar um comentário