domingo, 25 de novembro de 2012

Uma Vida Em 52 Objetos - 12/52 semanas - Uma Coleção de Cinzeiros

 História baseada em fatos reais.

Após o casamento de Izabel e Antônio, o casal recebeu da cidade de origem do noivo, alguns de seus objetos pessoais, remetidos por sua família.
Entre os objetos veio uma caixa com centenas de cinzeiros. Ao abri-la, Izabel sentiu um frio correr pelo seu corpo. 
Era a coleção de cinzeiros de Antônio, que havia sido iniciada pelo seu irmão ainda na infância, motivo que aumentava o valor sentimental da coleção. 
O que fazer com tantas peças que não foram escolhidas e sim "captadas" sem nenhum critério de valor ou beleza e que não faziam o menor sentido para Izabel? Sentimento que era compartilhado por toda a família de Antônio, só não por ele, naturalmente.
Durante anos, a coleção permaneceu com o casal guardada num quartinho dos fundos da casa, pois Izabel, não admitia expô-los.
A coleção de cinzeiros sempre foi motivo de brincadeiras, piadas entre a família e amigos de Izabel e Antônio.
Quando houve a separação do casal, quinze anos após o casamento, Izabel, fazendo a divisão dos objetos pessoais do casal, entregou a Antônio, a caixa   com os cinzeiros da coleção, cuidadosamente acondicionados por ela.
Alguns anos mais tarde, infelizmente Antônio veio a falecer, para a tristeza dos amigos, da família, de Izabel e dos filhos que tiveram. Esta é a parte triste desta história.
Por seus filhos, Izabel, junto com a família, passou novamente pela situação de separar os objetos pessoais de Antônio, para dividi-los entre os filhos e familiares. 
E assim foi feito com as roupas, livros, fotos, enfeites, móveis etc. A cada objeto que separavam, muitas histórias iam sendo lembradas, sempre entre risos e lágrimas.
Foi quando Izabel, ao abrir a porta da lavanderia, deparou-se, entre os molinetes, varas de pescar e anzóis com a caixa da coleção de cinzeiros, intacta da mesma forma como ela havia entregue a Antônio.
Naquele momento, Izabel experimentou mais uma vez, aquele mesmo frio a correr pelo seu corpo. 
A imagem daqueles objetos, tomavam proporções gigantescas e apavorantes diante de seus olhos.
Consultada toda a família, nenhum de seus parentes, queria ficar com a tal coleção, e decidido ficou que a coleção de cinzeiros poderia ser descartada, cabendo mais uma vez à Izabel executar tal tarefa.
Izabel em poder da coleção, sentiu-se completamente desencorajada para tomar a atitude de dar um fim à caixa de cinzeiros. A partir deste momento, a coleção passou a ter significado especial.
Com este novo sentimento, Izabel, decidiu que ficaria com a coleção de cinzeiros e negou-se a mantê-la escondida dentro da caixa, no já famoso quartinho dos fundos onde passou a vida inteira. Decidiu por abri-la, fazer uma seleção dos melhores cinzeiros e expô-los em sua casa.
Guardou os rejeitados. Naquele momento, era o melhor a fazer.



*Antônio é Rui Virgilio Crisóstomo Borba, com quem fui casada e tivemos dois filhos, Vinícius e Bernardo, que consultados, consentiram com esta publicação.
*Dar nomes aos personagens, me deixou mais à vontade para contar esta história.


Gosto especialmente:
Cinzeiros com o logo das marcas Martini e Cinzano - hoje podem ser considerados kitsch.
Cinzeiro com o logo do Museun Chopp - lembrança do Restaurante de Rui, que funcionava no Museu de Arte de Joinville, na rua XV de novembro, 1400. 
Cinzeiro da Churrascaria Dom Curro de São Paulo.
Cinzeiro da Petrobras curiosamente de porcelana feito a mão por Ten Kate & Slijper  de Amsterdam com o logo da Bavaria Germany.
Cinzeiro do Conhaque Courvoisier de porcelana francesa.


  Entenda o que é "A Vida Em 52 Objetos"


20 comentários:

  1. Quando comecei a ler o blog lembrei-me que também colecionei cinzeiros e não me lembrava nem um pouco o seu destino.
    Para a minha agradavel surpresa sua crônica revela onde ela está hoje ocupando espaço especial depois de ter passado por alguns anos de uma rejeição natural por representar ocupação de espaço, requerer cuidados e vocação para colecionador.
    Que o Galpão do Funil, sua morada digna depois de longo exílio em caixas nos cantinho esquecidos das casas zele bastante por uma atração que iniciou a aproximadamente uns 40 anos, encante a todos que por aí passarem por sua beleza e história e que seus curadores procurem aumentar o acervo.
    E ATENÇÃO: MUITO CUIDADO COM OS COLECIONADORES DE CINZEIROS. SÃO PERIGOSOS.

    ResponderExcluir
  2. Legal....
    Final digno para a coleção do homem que fez parte da tua vida!!
    Com certeza teus filhos estão super felizes..
    beijossssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elisa, gostei de ler teu comentário aqui, Abr.

      Excluir
  3. que historia linda! apesar de ter partes tristes, o final é muito feliz, adorei

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Helô, mais uma vez obrigada. Nesta semana nosso assunto foi "coleção". Abraço.

      Excluir
  4. Raquel Não tenho vergonha em falar:.Chorei.Li a história atentamente e ao final quando revelastes o.verdadeiro nome do personagem me emocionei.

    ResponderExcluir
  5. Raquel Não tenho vergonha em falar:.Chorei.Li a história atentamente e ao final quando revelastes o.verdadeiro nome do personagem me emocionei.

    ResponderExcluir
  6. O mais bonito desta história, como ela termina. Parabéns pelo relato. Amei! Quero ver a coleção. Bjsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Helo. Me visite e te mostrarei a coleção, será um prazer. Abr.

      Excluir
  7. Raque. Como eu já. conhecia a historia dos cinzeiros, conhecia o dono dos cinzeiros, conheço os filhos do dono do cinzeiro......doeu...doeu....muiiiiiito. Que historia linda. Só tu para ter esta criatividade. Me emocionei. Te amo por estas e outras.

    ResponderExcluir
  8. Saudade enorme de Antônio,muito carinho e admiração por Izabel e Ricardo. Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Que história linda, Raquel! Fez muito bem em ficar com os cinzeiros.
    Tenho uma história parecida, mas os personagens estão bem vivos. rs Deu-me a ideia de colocá-la no blog, qualquer dia. Se o fizer, vou linkar com esse seu texto, que achei precioso, de uma delicadeza sem par.
    Meu genro chama-se Ricardo e estou lhe dizendo que todos os homens que conheço com esse nome são pessoas sensacionais! Parabéns para o seu Ricardo.
    (já vim aqui uma vez e comentei. Hoje voltei pela chamada do "Qual seu blog?". Muito bom ter voltado).
    Boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lucia. Obrigada pelo seu comentário. Fiquei feliz.

      Excluir
  11. Oi Raquel,
    que história emocionante e que coleção ein?
    Se quiser publico sim em meu blog, me mande mais fotos.
    Quando publicar te aviso.

    http://lary-di-lua.blogspot.com.br/
    Abraços

    ResponderExcluir