domingo, 18 de março de 2018

Ditadura do pensamento



Mariliz Pereira Jorge, jornalista, em sua coluna na folha.uol, do dia 15/03/2018, faz uma análise sobre "O prazer que sentimos em humilhar os outros".  Descreve o poder que domina as pessoas  atrás de um computador, a capacidade de dizer tudo o que querem e assim satisfazer seu sentimento de vingança. "Arruinamos vidas com comentários, likes e memes". O mais interessante é perceber, o quanto contribuímos para o linchamento. Assim ela inicia a abordagem.

O exemplo dado por ela para argumentar seu raciocínio nada tem a ver com a gravidade do assassinato da vereadora do Rio de Janeiro, porém o comportamento das pessoas nas redes sociais, sim. São reflexões que sugerem o atual estado ditatorial que vivemos no Brasil de hoje:

_Marielle, por dizer o que pensava, morreu.

_Desembargadora. por dizer o que pensava, está sendo apedrejada em praça virtual.

Isto é ou não uma ditadura? Uma ditadura de pensamentos, onde o poder está centralizado no povo, que não admite divergência de ideias, com o autoritarismo instalado para punir quem não segue as suas regras? 

Violenta, como toda ditadura, ela cala vozes, com a morte, no caso de Marielle ou com ameaça de repressão imposto à Desembargadora, que pouco importa qual nome tenha. Afinal explorar seu cargo é mais importante.

Diz a Constituição Brasileira de 1988, no art 1 - parágrafo único "O poder emana do povo". E é este mesmo povo brasileiro, livre da ditadura militar,  onde está se concentrando o poder de ditador e que não admite oposição. Vivemos uma ditadura severa, rígida e com requintes de crueldade, piores do que as estabelecidas pelos governos oficiais. 

A ditadura do povo. Sem nome, sem endereço, que mata e pune quem expõem seus pensamentos.




Nenhum comentário:

Postar um comentário