sábado, 9 de janeiro de 2016

Chegando no PARÁ



As placas indicam que chegamos no Pará. 
As distâncias ainda assustam, mas são contemporizadas pela beleza da estrada reta em traçado longilíneo e elegante.

Sensação de conforto e segurança logo abandonada na passagem de um trecho da BR 163, próximo ao km 10, totalmente danificada. Uma ponte ainda de madeira é inadmissível numa rodovia federal. Mas ela existe e só permite a passagem de um veículo por vez.
Nem mesmo a existência de uma base da Força Aérea Brasileira é capaz de favorecer melhoramentos na estrada. Certamente isso daria mais segurança para a população que por ali transita à trabalho contribuindo com a economia do país.

A viagem é lenta. A Serra do Cachimbo exige destreza do motorista. Pede mais cuidado ainda, na estrada asfaltada que segue em frente, em condições precárias e cheias de buracos.
O #superlinda viajando pelo Brasil afora constatando a beleza desse país imenso largado  e abandonado.

                                            
 

2 comentários:

  1. Raquel voce foi longe nessas férias. Muito legal sua viagem .

    ResponderExcluir
  2. testing that Rolex Daytona theory on a conventionally sealed chronograph is the horological equivalent of the 8,000-RPM Ferrari clutch dump: best left to journalists and beater press models.Breilting’s Superocean Chronograph M2000 Breguet replica watches sidesteps this risk by sidelining the mechanical interface between the pusher and handbags replica the movement.A system of magnetic.

    ResponderExcluir