sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

HOTEL DE LUXO na TRANSAMAZÔNICA

Embora tenha entrado na Transamazônica quilometros antes, a chegada em Rurópolis (PA) é de forte impacto para quem só sabe que essa rodovia existe através de noticiários. As placas indicativas das cidades próximas não deixam dúvidas. Você está na Transamazônica.
O município de Rurópolis foi fundado pela necessidade de um centro de apoio quando da abertura dessa emblemática rodovia tida como uma alucinação do governo Médici.
 O então presidente não media esforços para trazer "homens sem terras do nordeste para a terra sem homens da Amazônia".
Sendo a única via de acesso por terra para qualquer parte do Brasil digo sem medo de críticas:
_ Médici alucinou e o povo dessa região agradece.
Com muitos trechos ainda sem pavimentação, e aí o problema não é mais de Médici, pergunto-me o que seria dessa população caso essa rodovia não tivesse sido aberta.
E neste mundo de poeira sem fim existe uma relíquia da época da construção da Tranzamazônica. O HOTEL PRESIDENTE MEDICI. Construído para receber a comitiva  presidencial quando de sua única visita à Rurópolis comemorativa ao início da Transamazônica e de sua inauguração. O hotel até 1982 pertencia ao Incra serviu ainda para hospedar o Presidente Geisel e depois ficou abandonado por muitos anos. 
Hoje ele pertence à Prefeitura Municipal de Rurópolis. Ainda funciona como hotel e é o melhor da cidade. Porém, alguns aposentos servem de moradia para funcionários da prefeitura, incluindo as duas Suítes Presidenciais que por este motivo não puderam ser conhecidas. Essa informação foi dada pela mesma pessoa que disse não ter conhecimento do fim dado aos móveis, objetos, pratarias, cristais que eram do hotel e que toda a parte física do hotel continuava intacta.
Na visita do #superlinda ao hotel observamos a descaracterização do hotel de luxo para o modelo hotel de passagem.
Na frente externa vê-se os matros sem bandeiras, os corredores do pátio interno e a bela e grande piscina sem água.
A sala de reuniões foi transformada num refeitório. A pintura nas paredes foram feitas há quatro anos por um artista local.
O hall de entrada está vazio. Encostado na parede há uma enorme tela, da época da inauguração, que ninguém sabe quem é o autor, o que está fazendo ali nem o que vai ser feito dela, coberta por um tecido vermelho. 
*tentei espiar por baixo do pano, mas nada consegui ver. 
__AINDA DÁ TEMPO! É um grito de alerta do #superlinda às autoridades, antes que mais uma parte da rica História do Brasil seja desperdiçada. 
Foto dos fundos das duas suítes presidenciais.

3 comentários:

  1. Esse desconhecido Brasil grande revelado aos poucos pelo Superlinda é uma preciosidade que deve ser guardada. É ao vivo a História do nosso País

    ResponderExcluir
  2. Não tenho inveja de quem fez essa viagem, porque é minha superlinda, lindíssima! Quanta coisa linda filhota, só que a demora é muito grande, cadê o nenê de sua mãe?
    Eu acho que , por este trabalho, a UNIVILLE deveria adiantar o "canudo" de jornalista!
    Beijo
    Mãe

    ResponderExcluir