quinta-feira, 12 de julho de 2012

O Jeito Twitter De Ser


Várias vezes já postei que, twittar é o mesmo que falar sozinho.
Lembro-me que quando criança, ouvia os mais velhos comentando que fulano (normalmente se referindo a uma pessoa idosa da família) estava ficando meio bobo, "porque deu para falar sozinho dentro de casa", diziam. E agora estou eu aqui no Twitter, não estou boba, mas estou falando sozinha. Você escreve (leia-se fala),  esperando que alguém responda, nada acontece e tudo vai  timeline abaixo.

Diferente do Facebock, onde a interação, se dá  mais entre pessoas amigas ou conhecidas e sempre há alguém que te responde ou dá uma curtida no teu mural. No Twitter você lê e se dá o direito de dizer o que pensa, sem cerimônia alguma, nos posts de quem você segue, sendo que na maioria das vezes, você não conhece ou não é conhecido pelo autor do post.

Conhecidos ou desconhecidos, bom mesmo seria, que ninguém usasse as redes sociais para lavar a sua roupa suja.

No Twitter existe acentuadamente  o interesse comercial e as amizades são com base nesta relação. Tenho visto e lido coisas por aqui, que me levam do sentimento de indignação à admiração, coisas desta gigante terra de ninguém que é a nação twitteira
Seguindo o Twitter de uma pessoa famosa de TV, li quando a mesma pediu, sugestão de nomes de homens profissionalmente bem sucedidos, para entrevistá-los em seu programa. Naturalmente deve ter chovido sugestões. De repente, a leio, avisando (este foi o termo usado) que não pedissem para serem apresentados a famosos, porque não iria fazer nada para isso acontecer. Ou seja, para pedir ajuda estava aberta a sugestões, para ajudar, não. No mesmo dia deixei de seguí-la.

É comum pedidos de twitteiros, para que acessem seu blog, mas ler ou recomendar os posts de seus seguidores também blogueiros, só se forem dos seus amigos, o que não quer dizer que sejam interessantes.

Quando me explicaram como funcionava o twitter e fiz minha conta, desanimada, falei para meu filho: Se é de seguir e ser seguido, não vai dar certo, porque, com tantos famosos da TV, intelectuais, jornalistas, não vai haver quem se interesse em me seguir. E ele me respondeu muito tranquilamente: mãe vai escrevendo tudo o que tu pensas, quem gostar do que tu escreves, vai te seguir."  Hoje tenho 240 pessoas interessadas no que digo e escrevo. Estou muito além das minhas expectativas.

Poderia ter muito mais, se me  cadastrasse num nesses sites onde  de imediato podemos conseguir centenas de seguidores, vindos sabe-se  lá de onde. Estaria agora, me exibindo com quantos seguidores quisesse, mas penso que assim não tem a menor graça. Vibro com cada seguidor que conquisto no dia a dia. Agradeço, mando florzinha, bato palmas, divulgo, retwitto, sem a menor preocupação com a  concorrência.

Alguns já me seguiram e já me abandonaram no meio do caminho,  outros por quem gostaria de ser seguida, por mais que eu provoque, me ignoram. E há os que, eu jamais pensaria ser seguida, que estão por aqui, me prestigiam e me retwittam sem a menor  arrogância.

Não dá para encarar a nação twitteira com profundidade de sentimentos,  o perfil passional, o perfil quebra barraco, está destinado ao isolamento. Há que se ter o já famoso "olhar de paisagem".
Twittar é intrigante, é excitante, é viciante, é viver na expectativa de surpresas e decepções.

6 comentários:

  1. eu tenho conta no twitter desde 2008 e só tive ganhos ali. fiz amizades virtuais, que viraram amizades reais, mais de 20 pessoas. gosto muito! nunca me senti falando sozinha!

    beijooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernanda, que bom ver teu comentário por aqui. Tbém gosto mto do twitter. Abraços.

      Excluir