quinta-feira, 9 de maio de 2013

Atualização do Material Didático JÁ




Caderno, lápis preto, borracha e a Cartilha "Caminho Suave", era o único material escolar que durante anos, serviu para a alfabetização de crianças. Além disso havia no máximo um mapa mundi e giz colorido.

Durante quatro horas as crianças ficavam sentadas com calor ou frio, porque não havia ar condicionado, ouvindo um professor bom ou ruim, dando aula.

Insuportávelmente retrogrado, mas era o que havia.

Nos alfabetizamos? Sim, sem a menor sombra de dúvida.

Hoje as escolas estão mais modernizadas, algumas já tem na grade escolar, aulas de informática, com míseros quatro a seis computadores para classes de 30 alunos.

Os tempos mudaram, mas, basicamente as aulas continuam sendo a base de caderno, lápis, borracha e uma Cartilha mesmo que seja outro o seu nome.

Educadores que pensam "no meu tempo não tinha nada disso...e a gente aprendia..." devem rever sua profissão.

Porque "no meu tempo" também não tinha televisão e nem por isso não vou quere-la agora.

"No meu tempo" não havia video game e nem por isso deixei de dá-los aos meus filhos.

"No meu tempo" meus pais não tinham carro e nem por isso deixei de compra-lo tão logo que pude.

E principalmente os celulares, computadores e tabletes, que "no meu tempo" eram inimagináveis, hoje fazem parte do nosso cotidiano e do cotidiano de nossas crianças, obrigatóriamente tem que fazer parte da educação, da escola, e passar a ser material didático.

Como manter a atenção e interesse das crianças, na escola, quando incentivadas e motivadas em casa, com jogos, músicas, dança, ao alcance deles, através do acesso a esses equipamentos. 

Na escola, a criança vai encontrar um professor, vestindo um guarda-pó branco, com um régua apontada para a matéria transcrita no quadro negro, que hoje é verde, pedindo que acompanhem o "raciocionio" dele e entendam a lição.

O professor tem que ser mágico e como não o é, passa a ser considerado ruim e sem domínio da classe...


As fotos que apresento a seguir são para ilustrar a situação a que referi-me sobre o uso de eletrônicos na vida da crianças "deste tempo".

Esta primeira foto, foi twittada e retwittada, com o comentário 

"O vô ensinando o neto a twittar". 

Lucas é uma criança, que vive entre nós na mais perfeita harmonia.
Seus pais estão presentes a tudo que lhe diz respeito. Se preocupam para que ele tenha um  perfeito desenvolvimento psico-social, uma boa alimentação, vida saudável, que brinque na rua, que suje os pés, que tenha contato com bichos.

Lucas também é o exemplo uma criança que vive no meio de pessoas que usam tecnologia, e isso fará parte da vida dele, queiram ou não, os educadores.

Como não se preocupar com a escola que ele frequentará?
Como fazê-lo entender que deverá gostar daquela escola pouco interessante que terá que frequentar?

Precisamos de crianças estudando e gostando de estudar, só assim teremos um mundo melhor.

A diversidade e modernidade do material didático tem que estar nas escolas.
A facilidade que é "baixar" um livro num tablet não pode ficar fora da vida do estudante.

Lucas, com dois meses, sentado ao lado do avô que lhe mostra e conversa sobre computador.




Com dez meses, se deliciando com os encantos da "Galinha Pintadinha" no tablet.



E na falta de um brinquedo, o objeto mais próximo é  um telefone celular.


Nada que tire-lhe o direito de brincar e sentir a grama e o capim nos pés.




Esta é a nova e muito melhor realidade para a escola dessa geração.







Este assunto é matéria da revista Veja nr 2320 de 08/05/2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário