quinta-feira, 7 de setembro de 2017

O senhor tempo

                                   

Se você acha que é ruim "engolir sapo" é porque nunca sentiu o gosto de empurrar "goela abaixo" um coração cheio de amor.

Tão certa quanto a frase acima, do #superlinda, é a de Stella Florence. "Separação é uma caminhada cheia de contratempos, até descobrir com alívio, lá no fim, que não há fim, a vida segue". 

O tempo que se leva para transpor do primeiro para o segundo estágio é variável de pessoa para pessoa. Vale a máxima de que cada caso é um caso.

Outro dia, ouvi de um homem que os três primeiros meses de separação foram insuportáveis, os três seguintes foram de adaptação e os últimos, a partir de então, de absoluto prazer. 

Enquanto outro, falando "em nome do amor", me disse: o amor é foda, engana, cega, dribla, faz de conta...a gente sempre acha que sabe o que o outro lado sente.

Em alguns casos, uma das partes argumenta "você é uma pessoa maravilhosa, linda, sempre representará muito na minha vida mas...não te amo mais...". Tirando de você o direito de mandar para o inferno aquela pessoa tão querida, com tanta consideração mas, educadamente está te deixando.

Certos homens e, também, mulheres adquirem um mal, que vou denominar de síndrome da "restauração permanente da solteirice". Eles abominam qualquer pensamento de novo acasalamento pela liberdade conquistada a duras penas ou por trauma adquirido no casamento, mais ainda, na separação. 

Quanto ao provérbio "O tempo é o senhor da razão", para quem está entrando nesse processo agora, resta viver o seu e ao final se perguntar: De que adianta saber quem tem ou qual é a razão, se a única certeza que existe, quando se trata de tempo, é que ele não volta atrás. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário