terça-feira, 29 de setembro de 2020

O deficiente visual e a acessibilidade aos aplicativos de celular



O Bom Dia Brasil, no último dia 22, apresentou uma reportagem sobre a quantidade de aplicativos de celulares sem recursos de acesso para o deficiente visual. Na introdução, o jornalista Rodrigo Boccardi diz: "...é...às vezes passa por uma 'distração'. Nem sempre quem desenvolve o produto para pra pensar na acessibilidade".  

O uso da palavra "distração" parece mais uma distração sobre a importância do assunto e não só por parte  dos desenvolvedores.  O problema amenizado pelo jornalista não é o que está representado nos números apontados pela reportagem, muito menos na realidade dos deficientes visuais. A pesquisa avaliou 2.068 aplicativos e apenas 4 deles tinham as ferramentas necessárias. Isto não é distração, é descompromisso com a acessibilidade.

Na reportagem, Alberto Pereira, Presidente da Associação da Organização Nacional de Cegos do Brasil, fala da importância desses mecanismos para o acesso à leitura, à educação e ao ensino. "O cego, como qualquer pessoa, poderia pedir comida, identificar endereço, fazer transações bancárias, tudo pelos aplicativos", e exemplifica que num site de compra se o botão de Finalizar Compra não estiver rotulado a tecnologia disponível vai apenas avisar ao usuário que ali existe um botão sem esclarecer para que serve.

Essas mesmas dificuldades são relatadas por Adria Santos, atleta paralímpica, no áudio acima. Ela revelou também que "pouco usa o Instagram por ser uma rede social muito visual". Embora o aplicativo tenha o chamado texto alternativo, para esta função, ele é pouco utilizado pelos usuários. Exceção feita, em rápida observação, ao perfil da cantora Ivete Sangalo e a empresa de calçados Kolosh. Estes dois nunca deixam de usar a #PraCegoVer ou #PraTodosVerem. 

A falta de acessibilidade ao deficiente visual é inadmissível nos dias de hoje. Desde 2013, o blog SuperLinda faz um trabalho de divulgação da necessidade em legendar fotos, resultado de um encontro com Adria. Depois de 8 anos, exibindo o link - Seu blog dá acesso ao deficiente visual?     em todas as postagens, não vejo grandes mudanças no comportamento de quem tem visão perfeita. 

As redes sociais estão repletas de movimento contra racismo, preconceito, diversidade, ativistas de todos os gêneros. "Todes" se preocupam até com a mudança da língua portuguesa. Escrever "alunes", "amigues" tornou-se prioridade. Porém, não se preocupam em colocar uma simples legenda descritiva das suas fotos para os deficientes visuais.

Ainda sobre a reportagem inicial, outra questão levantada foi uma reflexão sobre a quantidade de aplicativos que usamos hoje e como seria se não pudéssemos acessá-los. Esta é a realidade que o cego vive diariamente. Reflita. Coloque uma venda nos olhos e tente acessar as redes sociais. Acessibilidade é responsabilidade de todos. 

 

Legenda de foto para acesso do deficiente visual. Montagem de foto, colagem de print da tela do Instagram e áudio de Ádria Santos.  Arte de Leticia Rieper.

- Seu blog dá acesso ao deficiente visual?   

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário