quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Mundo Virtual Cultura Contemporânea - Anne #superlindinha



A cibercultura estudo da vida virtual, o ciberespaço. Nessa matéria encontrei embasamento para o post de hoje.

No ciberespaço, todos sem exceção, podemos ocupar um lugar, interagir social e politicamente. Ampliado pelas redes sociais, possibilita uma sociedade conectada, colaborativa, dispensando a presença física. Assim como tantos outros aspectos positivos, ele vem acompanhado de problemas, como o isolamento, informações duvidosas.

Mas a verdade é que o mundo virtual e a internet fazem parte da cultura contemporânea. Se adultos já não conseguem viver fora dessa realidade, se jovens adultos não sabem o que é viver fora desse mundo, calculem nossas crianças.

A educação cibercultural clama por mudanças urgentes no ensino tradicional. Piérry Levy, no livro A Máquina Universo (1987) diz que: O Ciberespaço possibilita a interatividade, a troca de informação e saberes, mas não garante o sucesso do aprendizado". Daí a importância da escola, material didático e metodologias de ensino. Assunto já tratado aqui no superlinda com o post Atualização do Material Didático, Já.
"Ambiente virtual, para quem deseja sobreviver profissionalmente, não tem outra opção senão adaptar-se à época em que vivemos". Afirmação do mesmo livro se referindo a escola tradicional. 

A responsabilidade pela educação infantil no correto uso da internet cabe também aos pais. Para eles o trabalho é redobrado. Precisam acompanhar os filhos no rendimento escolar e na vida social. Não podem se furtar. Esse é o mundo, o brinquedo, a diversão das suas crianças. 

Façam dar certo!

Refletir sobre a interação virtual na escola ou em casa é pouco. A atenção dos pais têm que se estender ao talento e habilidade de seus filhos. Uma preocupação que já não tenho mais em relação à educação dos  meus, mas não me escapa, quando vejo um vídeo como esse que publico para vocês. 

Anne, filha dos amigos Adriana e Juverto Rodrigues, com 5 anos, cursando o Infantil 4 - já aprendeu a escrever seu nome e reconhece as letras, mas ainda não está alfabetizada.

Porque não usar a desenvoltura natural da Anne e canalizar para posts em que, como criança que é, fale dos livros que lê, dos filmes que assiste, dos passeios que faz, das suas atividades escolares. E porque não, daquilo que não gosta, abrindo um olhar crítico para tudo o que a rodeia. Chamar amiguinhos para contar sobre suas atividades, os pais, os avós, seus professores. Isso é a "interatividade, a troca de informação e saberes".

As possibilidades são muitas para a #superlindinha Anne e muito trabalho, cuidado e atenção dos pais. Filho dá trabalho. Filho talentoso mais ainda.

Descrição detalhada das fotos para acesso do deficiente visual (para saber mais clique aqui) 1 - Foto de Anne da tela do vídeo. 2 -Vídeo amador de Anne feito por seu pai.

2 comentários: