quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Futebol e Costela uma tradição no BUTECO DO JAJÁ


A receita de como assar uma costela, Jair Ferreira de Andrade, o Jajá, não conta para ninguém.  Ele só diz que aprendeu ali mesmo, no bar, há 30 anos, com o falecido Restides Eccel. Junto com o "Alírio do campo do Caxias", Eccel era o mais conhecido assador de costela de Joinville no final da década de 70.
             A tradicional costela, o bolinho de carne – sem esquecer a cerveja gelada – e a televisão sempre ligada em um canal de esportes fazem do “Buteco do Jajá” um dos pontos de encontro preferidos no Guanabara. Localizado na movimentada Rua Florianópolis, o bar existe há mais de 40 anos, mas nem sempre foi do jeito que é hoje.
             O atual proprietário trabalhava como garçom e conta que o local, já era conhecido pelo bolinho de carne. Quando Jucá, o antigo dono, colocou o ponto à venda, Jair e sua esposa, Patrícia de Araújo, enxergaram uma boa oportunidade. O casal planejou as modificações necessárias para a melhoria física do ambiente e acrescentou um atrativo, a tradicional costela assada, servida com farinha de mandioca. A maionese de batatas feita por Patrícia também é opção de acompanhamento.
Com o tempo, o “Buteco do Jajá” foi se tornando referência como ponto de encontro de pessoas ligadas ao esporte. “Jogadores de futebol, como o Lima, são nossos clientes”, conta Patrícia. Em dias de jogo do JEC, o número de pessoas aumenta. “Diversas vezes, programas de rádio entrevistaram clientes ao vivo, aqui no bar, no intervalo dos jogos”.
              Quando tudo começou, o lugar não tinha um conceito tão positivo. Não havia banheiro adequado, era frequentado por usuários de drogas e o público era formado apenas por homens, bem diferente de hoje. Jajá atribui a mudança à presença de sua mulher. “Aqui não é permitido que nenhum homem ‘mexa’ com qualquer mulher dentro ou mesmo na calçada em frente ao bar”, declara Patrícia. Quando algum engraçadinho tenta contrariar a regra, tem que se retirar do local.
Mário José Lino da Silva, 60 anos, empresário do ramo de tornearia, trabalha e sempre morou no bairro. Ele e a esposa Carmêndia Vieira da Silva, professora aposentada, costumam ir ao boteco às sextas-feiras para comer costela. Carmen, quando não vai ao campo do JEC com a amiga, confere a transmissão do jogo diretamente do bar. O marido não gosta de ir aos jogos.
              Jair e Patrícia são casados há quatro anos. Ela também trabalha em sua própria empresa de doces finos e artesanais para festas e casamentos, mas ainda encontra tempo e disposição para ajudar a "tocar" o bar. Nos fins de semana, são assados aproximadamente 150 quilos de costela e é nos domingos que o movimento se intensifica. O aroma da carne assada e a simplicidade são ingredientes certos para atrair tanta gente.

Repórter Raquel Ramos 
Publicada originalmente no Primeira.Pauta,  edição de nº 128 do Jornal laboratório da Faculdade de Jornalismo do Bom Jesus/Ielusc.
                                 



Descrição detalhada das fotos para acesso do deficiente visual (para saber mais clique aqui  -1 Foto da fachada do prédio do Buteco do Jajá.   e 2 e 3 Fotos da página do jornal onde foi publicada  e 4 Fotos do  interior do bar, mostrando os clientes assistindo o jogo do JEC, 5- Foto de Jair Ferreira de Andrade, o Jajá, cortando a costela para servir aos clientes. 6 e 7 Fotos de Camendia , Mário e clientes do bar.



2 comentários:

  1. Parabens pela reportagem Raquel. Um otimo trabalho...bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Patricia, obrigada a vocês pela disponibilidade em me receber. Grande abraço.

      Excluir