sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

2017 Foi bom para você ?


Ando me perguntando o que é necessário para classificar um ano como bom ou ruim. Mesmo que nem tudo que aconteça no decorrer dos 365 dias, seja ruim, enquanto os meses passam surgem reclamações, dissabores, tudo nos parece ser proposital, que o mundo conspira contra nós, temos a sensação de que a vida se arrasta e quanto mais o fim-do-ano se aproxima mais o desejo pela virada do próximo se acentua.

Sugiro pensar simples. Primeiro, se você acredita que as experiências negativas sempre trazem um aprendizado, devemos concluir que não há ano ruim. Segundo, quanto menos expectativas de milagres, de vida fácil, colocarmos sobre os ombros do próximo ano, melhor. 


Essas duas, as experiências negativas e as lições da vida, caminham juntas. _Anote isso no seu caderninho_. Para cada uma haverá duas formas de comportamento a tomar. No jogo da vida a dualidade de experiências e sabores é inevitável. Considere que para uma vida rica em superações é necessário que hajam dificuldades para enfrentar. Portanto...

As pessoas passam por nós, por longos ou breves períodos, e sempre provocam alguma mudança. Para tudo há um propósito, não é mesmo? Ou você é do tipo que só acredita nisso quando é para dizer como consolo para alguém? 


Videntes fazem previsões, o universo é regido pelos astros, desejamos a política estável da Noruega e nos amedrontamos diante da China enigmática. O clima está a cada ano mais aquecido, mesmo para quem recicla o lixo. Os conflitos pessoais e amorosos não são privilégios de ninguém. Até Fátima e William Bonner se separaram. As dolorosas perdas familiares, também acontecem entre os famosos e jovens, como foi com Domingos Montagner. Temer nos ferra, Lula continua solto e o Tiririca renuncia e consegue, aos 52 anos, uma aposentadoria milionária. A cada dia é mais comum haver próximo de nós, um conhecido que foi morto ou outro que se perdeu por drogas ou crime. Diante dos fatos e verdades definir se o ano foi bom ou ruim depende apenas de você mesmo.

Aquele conselho perfeito que falamos com tanta facilidade, não dever ser dado e sim aplicado a nós mesmos. É comum qualificar um ano como bom ou ruim baseado no dinheiro ganho. Pois posso garantir que nunca trabalhei tanto e ganhei tão pouco, mas ri, amei, chorei, me diverti, viajei, estudei e vivi muito. Enquanto outros, gastaram tanto e ganharam tão pouco, em todos os sentidos.

Os caminhos transitados são de subidas e descidas, retas e curvas, idas e vindas, sem nunca desistir. E se, ainda restar dúvidas da mensagem do SuperLinda, siga o que diz Guimarães Rosa a respeito da vida: "O que ela quer de nós é coragem".

Que 2018 nos permita ativar a tecla de reinicio das atitudes em vencer as vicissitudes da vida. PERSEVERAR...

Seu blog dá acesso ao deficiente visual? coleção de fotos de momentos vividos em 2017.

2 comentários: