terça-feira, 4 de setembro de 2018

O Dia em que o Brasil pegou fogo

Link da foto do incêndio do Museu Nacional

Você acha mesmo que um Estado que não se preocupa com a saúde do povo, enquanto ainda está vivo, vai ele se preocupar com relíquias de gente morta? 

O assunto do dia, o incêndio do Museu Nacional do Rio de Janeiro, é a mais pura realidade vivida no país, como tantas outras tragédias,  que só se toma conhecimento quando já não há mais o que fazer para recuperar. A falta de cultura da preservação de qualquer coisa que seja no Brasil, não é de hoje e nem acontecerá a partir de agora, mesmo com a indignação que toma a sociedade brasileira.
 
Quem tem orgulho da pátria em quem nasceu? 
Quem prefere festejar o 7 de setembro a ficar dormindo no feriadão ou ir à praia.
Quem possui na varanda da sua casa uma bandeira do Brasil? A falta de patriotismo é falta de amor pelo seu país.

Mas tem brasileiro que não troca esse país por nenhum outro. _O Brasil é o Brasil_costumam dizer em alto e bom tom.

Sim, aqui é bom porque a escola é fraca mas dá diploma.

Aqui é bom porque viajar para outro país é mais barato do que conhecer o nordeste.

Aqui é bom porque político nenhum presta e por isso votaremos em qualquer um, nos eximindo da responsabilidade do voto.

Aqui é bom porque não temos abundância de dinheiro mas, repetindo o velho bordão, temos a alegria de ser brasileiro e de ter carnaval.

Aqui é bom porque não temos guerra. Aquilo que acontece no Rio não é guerra...

Aqui é bom, sim. Aqui é muito bom porque não queremos saber de nada.

Recentemente conheci um casal de médicos venezuelanos que mora numa cidade do interior de Santa Catarina. Vieram em busca de melhor situação profissional e comentaram todas as dificuldades pela qual passam os seus conterrâneos. 


Vindo para o Brasil, fizeram o mesmo que muitos brasileiros fazem quando imigram para os EUA ou a Europa. Indignada, ela se mostrou surpresa sobre a falta de conhecimento que o brasileiro tem de sua própria história. _Fiquei de cara_sem saber como defender.
 
Quantos brasileiros choram hoje pelo fim de um lugar que nem sabiam que existia, muito menos colocaram seus pés lá dentro, mas o Louvre, o Metropolitan e tantos outros conhecem.

Sim, é muito triste, é revoltante para qualquer um com o mínimo de consciência cultural. Só me pergunto porque nunca botaram a boca no mundo para falar disso, já que todos sabiam da precariedade das condições físicas do prédio. Porque nunca a imprensa deu a cobertura que está dando ao acontecimento, para divulgar o valor daquele patrimônio para história do Brasil. 

Uns até falam, mas falam baixo e não são ouvidos, outros abafam e outros se cansam. São só 1500 anos de história, comparados a história da civilização, e isso não é nada. Logo, logo não será mesmo, tudo terá menos importância ainda, porque não existe nada para comprovar nada.

E não é diferente em tantos outros museus, inclusive no Museu do Imigrante em Joinville, Museu do Sambaqui, Museu Fritz Alt, com foi lembrando hoje em aula. 
O descuido está generalizado no Brasil. Nada tem a menor importância.

2 comentários: