quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

AMORES ROUBADOS - Onde está o Amor?


                                              Fotos do artistas da minisérie tiradas do site do globo.



Amores Roubados minissérie apresentada na televisão de autoria de George Moura, considerado um dos maiores roteiristas da atualidade.

Os personagens Celeste, Isabel e Antonia, formam o que eu chamaria de um triângulo amoroso em torno de um só homem, Leandro.

Um triângulo amoroso ou uma desgraça amorosa?

Leandro, um personagem para chamar de lindo e mais nada. 
Jaime e Cavalcanti formam a dupla dos traídos para não dizer outra coisa.

A minissérie parece ter nascido para desmanchar casamentos. Tanto na vida real quanto na trama.

Filmada no cenário do agreste nordestino, lindo e maravilhosamente bem explorado, que em momento algum mostra a realidade da seca e da pobreza de vida dos nordestinos daquela região.

Ótima propaganda para divulgar no exterior, uma país que está as vésperas de uma Copa do Mundo.

A cena de sexo (maravilhosa) no capítulo de quarta feira (14/01), entre Isabel e o rapaz por ela atropelado, foi de uma sensualidade do tamanho da irrealidade da situação. Teria sido um estupro concedido? Fora de qualquer propósito e nada acrescentou à história.

O que Amores Roubados quer nos contar?
Qual o enredo desta mini série?

Mulheres sem outra opção de vida ou convenientemente casadas com quem lhes dá conforto de vida material. E que, como qualquer mulher, independente do nível social, cultural ou moral, supre com outro, o que lhe falta em casa.

Homens para mostrar o que é o comportamento de um animal irracional, que tem a mulher como propriedade, limpando a honra e castigando-a fisicamente por seu "erro", é o que não falta neste enredo.

Esperar o último capítulo, para saber se Leandro  está morto ou não, em nada muda esta história, de mulheres sendo abusadas em todos os sentidos. 

Com todo respeito à George Moura, maravilhoso nisto tudo, só a interpretação perfeita de Cássia Kiss como a personagem Carolina.

Adianta movimentos e leis Maria da Penha, se continuamos encantadas e deslumbradas com o desenrolar de romances como este? 



Principais personagens da minissérie:

Celeste (Dira Paes), Isabel (Patricia Pillar), Antonia( Isis Valverde), Leandro (Cauã Reymond), Jaime (Murilo Benício), Cavalcanti (Osmar Prado).


Postado em 16-01-2014




Raquel Ramos

raquel@superlinda.com





5 comentários:

  1. Raquel,
    Boa colocação, não entendi até agora, pra que veio esta trama... não tem nada de amor, só traição, violência, assassinatos,e a brutalidade que ainda existe por estas bandas. Ser corno por aqui, é ainda motivo de assassinatos encomendados. kk
    Belo post, adorei... muito boa sua colocação...
    Bjokas, Sheyla.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Raquel!
    Assisti somente a estréia e tive a impressão que a pornochanchada estava voltando... até postei no twitter. Como assino "O Globo" vejo como estão endeusando a minissérie, como a melhor de todos os tempos, após "Avenida Brasil". Estou sabendo que Avenida Brasil não foi bem aceita no exterior, imagina essa! Tenho a sensação de um Brasil retrógrado, preso no tempo... precisamos evoluir nas relações e não voltar ao tempo dos coronéis. Por mais que isso ainda exista no Brasil, não devemos dar força.
    Ainda bem que encontrei alguém nessa "Aldeia Global" refletindo - O que o povo compra é aquilo que ele quer para a sua vida. Que melda!!
    :)
    Beijus,

    ResponderExcluir
  3. Raquel concordo com sua posição a respeito de Amores Roubados, apesar de ter acompanhado toda a minissérie e aqui vai a minha opinião de uma pessoa apaixonada pela arte do cinema e da telematurgia: A minissérie ficou para mim, como expectador como um celeiro de excelentes interpretações: Osmar Prados, Cássia Kiss Magro ( estupenda), minha linda Patrícia Pilar, como sempre arrebentando, Murilo Benício perfeito exercendo o que é bem o coronelismo no Nordeste e os jovens Isis Valverde e Cauã Reymand confirmando que são os novos representantes da melhor qualidade no quesito interpretação. Infelizmente o coronelismo ainda existe no Brasil, mas como você bem disse no seu texto "! não devemos dar força ". Enfim, a minissérie foi adaptada de uma obra que não se passa nos dias atuais. Até o final da história foi mudado, porque senão a degraça seria pior. O Livro que deu origem a minissérie chamado A Emparada da Rua Nova, em seu final, como a personagem da Isis Valverde não aceita se casar com seu primo para esconder a gravidez de outro homem,tem como desfecho o emparedamento da personagem viva e grávida por seu próprio pai em um dos cômodos da casa( a desgraça seria muito maior ). As vezes fico imaginando se não estamos sendo críticos demais, uma vez que é uma obra brasieleira. Será que se essa obra fosse um roteiro americano ou europeu, não teríamos pensado diferente. Abraços e parabéns pelo seu texto, apesar de discordar em partes dele.

    ResponderExcluir