sexta-feira, 7 de abril de 2017

Não existe jornalismo sem jornalista


Cheguei na metade do caminho. Cursando a 5ª Fase do curso de Jornalismo, não tenho dúvidas de que o que vim buscar, encontrei. As novas descobertas é que ainda me surpreendem a cada dia.

Na busca da notícia, o jornalista investiga e busca a verdade, na publicação delas, a censura, muitas vezes, é a sua  própria ética.

Nas reportagens com histórias de vida, o dito jornalismo humanizado, é onde mais me identifico. O aprendizado adquirido com elas, vai além dos ensinamentos da academia. É um verdadeiro caso de amor o vínculo que se cria e que se rompe no momento em que os textos caem na mãos dos editores. Estes, em cumprimento da sua função, cortam nossas ideias com o discernimento jornalístico que possuem.

O jornalista por obrigação e juramento se compromete a informar todos os lados que envolvem os fatos. Em contrapartida, no exercício da profissão, ele publica o que seu patrão determina, ou se for jornalismo independente, publica aquilo que seus conceitos e ideologias querem que seja divulgado.

A dinâmica é uma de suas características atuais. Em tempos de internet e redes sociais, nada é mais rápido. Só não é mais dinâmico, do que o jornalismo feito pelo leitor, duramente criticado, recebe o nome de jornalismo cidadão, e é um grande parceiro ou nosso maior inimigo.

Na faculdade nos ensinam a diferença entre jornalismo, jornalista e mídia. Porém, ainda não me convenci da diferença e conceitos, já que uma coisa não existe sem a outra.  Ou não é o jornalista que faz o jornalismo? Ainda que hajam diferenças, a responsabilidade é a mesma. Juntos são donos do poder de opinião, influenciador de massas, capazes de promover revoluções políticas, econômicas, e sócio culturais. São convictos, cometem crimes e abuso à sociedade travestidos de donos da verdade.

O jornalista tem que ser ético, mas quem não tem?


Nenhum comentário:

Postar um comentário