terça-feira, 15 de outubro de 2013

Outubro Rosa, lá no Trabalho.








Gustavo, Vania, Leia, Bruna, Acacia, Luisa, Jhenifer, Maira, Sandra, Adriana, Jamile e Sabrina. Na foto abaixo, Maria Luiza, Paola e Raquel.

Duas fotos com os funcionários da Distribuição da Comarca de Joinville, usando roupa na cor rosa contribuindo com a campanha Outubro Rosa.


A iniciativa foi delas. Eu apenas concordei.

Motivadas pela compra das camisetas da Rede Feminina de Combate ao Câncer de Joinville, propuseram que todas fóssemos ao trabalho vestidas com roupa de cor rosa.

Entre elas há um homem, que demonstrou em atitude brilhante, que este também é assunto de homem.

É louvável. São jovens, muitas delas ainda não atingiram a idade de fazer exame de mama, mas já estão preocupadas com a saúde e a prevenção do câncer.

É a campanha Outubro Rosa alcançando seus objetos. 

Essas moças quando chegarem na hora de ter de fazer esses exames preventivos, o farão com muito mais naturalidade e assiduidade do que as mulheres das décadas passadas.

Esclarecidas dos cuidados necessários que precisam ter e com acesso a plano de Saúde que facilita  estes exames.

Hoje, aqui em Joinville, tivemos uma situação de extrema humilhação. Uma mulher acorrentou-se na frente do Hospital Municipal São José e depois em frente a Prefeitura Municipal de Joinville, com o objetivo desesperador de conseguir marcar uma cirurgia. E conseguiu. (link da reportagem).

Não se tratava de nada relativo a Câncer de Mama, mas serve como alerta aos objetivos da campanha Outubro Rosa.

Que mulher faria o mesmo, ou se submeteria a ficar horas e horas em fila do sus para fazer um exame "preventivo"?  Nenhuma.

Quem lá está, é porque já está doente e sem opção.

Eu gostaria, que o Outubro Rosa, alcançasse as mulheres que não tem condições, não tem esclarecimento, não tem plano de saúde, não tem orientação para se prevenir do câncer de mama.

Essa mulher, é aquela que trabalha na sua casa, a faxineira da sua empresa, a gari da sua cidade, a catadora de lixo, a moradora de rua.

Para esta mulher não tem Outubro Rosa que a leve a um hospital, para fazer exames preventivos de coisa nenhuma.

Todo o louvor ao maravilhoso trabalho social das mulheres da Rede Feminina de Combate ao Câncer de Joinville e de todo o Brasil, é insignificante se comparado a quantidade de mulheres que elas não conseguem atingir. 

Tornan-se inoperantes diante da insuficiente e precária rede de saúde pública do Brasil.

A prevenção do câncer de mama, não depende  só da boa vontade das mulheres, em se deslocar a um hospital ou clínica e se submeter a mamografia. 

Depende principalmente de equipamento, hospital, e médico para poder realizá-lo.


Outubro Rosa para a Saúde Pública do Brasil, Já.



                                     Organizando a foto para o blog SuperLinda deixou a mulherada agitada.


Na foto, Vania, Bruna, Acácia, Raquel, Luisa, Jhenifer, Jamile, Sandra, Adriana, Sabrina e Gustavo.


                                             Na foto Sandra, Acácia e Luisa


                                             Na foto Paola, Maria Luiza e Bruna


Na foto Paola, Maria Luiza e Bruna. Em destaque os dizeres escritos nas costas da camiseta usada pela Paola da RFCC :

"Prevenir ainda é o melhor remédio"


5 comentários:

  1. Bela iniciativa Raquel, que sirva de exemplo para muitos e miitas. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Bela iniciativa Raquel, que sirva de exemplo para muitos e miitas. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Bela iniciativa Raquel, que sirva de exemplo para muitos e miitas. Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Iniciativa linda e que bom que cada ve mais a vemos vingar ! Falta muito ainda, mas é um bom começo! beijos,lindo dia! chica

    ResponderExcluir
  5. Excelente iniciativa da sua equipe e seu. Concordo plenamente com você. A campanha é excelente, mas confesso que não tenho certeza se ela atinge a população que não tem acesso ao plano de saúde. Na minha opinião, acho que a saúde pública deveria disponibilizar mais equipamentos para a realização do exame preventino tanto do câncer de mama quanto do de cólero de útero, os dois tipos que mais atinge a população feminina no mundo. Mas, por outro lado, também penso que muitas mulheres não procuram a prevenção , até mesmo as que têm acesso a bons planos de saúde, pois acredito que isso seja uma questão cultural. Abçs.

    ResponderExcluir